Sofia-logo-v7.png

História de um passeio improvável

A mente e o coração decidiram ir de Lisboa ao Porto.



Como não conseguiram chegar a acordo com a hora da saída, resolveram ir cada um por si.

Definiram o ponto de partida e o exato ponto de chegada.

A mente traçou o caminho mais rápido, as melhores estradas e os melhores restaurantes. Preveniu-se com água, uma camisola a mais, por causa do frio, e um fato de banho, caso fizesse calor. Mesmo assim, estava tensa. Nada podia falhar. Sobretudo, queria chegar a tempo e horas. Por isso, não estranhou quando reparou que foi a primeira a chegar. Aproveitou o tempo de espera para tratar assuntos pelo telefone. Nem reparou que estava de costas para um maravilhoso e raro pôr do sol.

O coração levantou-se cedo, espreguiçando-se, alegre e entusiasmado com a viagem. Olhou para o papel onde a mente lhe anotara o ponto de chegada pela centésima vez. Difícil fixar estes detalhes! Decidiu ir pelas estradas secundárias, ao sabor da sua vontade. Haveria de chegar lá. Afinal, bastava ir para Norte! E lá partiu, levando na mala o essencial. Se algo lhe faltasse, logo se resolveria. Um passo de cada vez. E perdeu-se em muitas aldeias, visitou algumas casas, fez novos amigos pelo caminho. Cheirou flores novas, conheceu árvores maravilhosas e não lhe escaparam umas cabras que encontrou pelo caminho e que o vieram cumprimentar. Coisa rara, sabia.

Foi com esforço que voltou a olhar para o papel e mais esforço ainda, que chegou ao ponto de encontro, já a noite ia alta. A mente não dormia, estava sim profundamente irritada.

Não se entenderam. Discutiram. A mente acusou o coração de ingénuo e irresponsável. O coração acusou a mente de ser chata e monótona.

Não podiam continuar assim. Pediram ajuda à serenidade e à sabedoria que os observavam, sorrindo em silêncio.

Então a mente aceitou oferecer ao coração o discernimento, e o coração ofereceu à mente a leveza. Juntos, transformaram sonhos em objetivos, juntaram o foco à criatividade e aprenderam a rir com cumplicidade. Foi nessa altura que, bem unidos, encontraram a paz que os levou bem rápido de volta para casa.


A Leitura da Aura é o mapa;

O equilíbrio energético, a ponderação serena;

O desenvolvimento pessoal, o acordo.


Imagem de นิธิ วีระสันติ por Pixabay