Sofia-logo-v7.png

Há sempre um lugar onde podemos ser adubo.

Há dias, o @Herman José é fez uma publicação junto de duas lindas e grandes palmeiras no seu jardim, que, como contou, estavam antes, pequenas e esquecidas, num minúsculo vaso. Quase mortas. Foi preciso ele acreditar nelas para lhes dar uma oportunidade de mostrarem a sua magnitude. Na terra certa. Em liberdade. Longe do que foram, prontas para serem maiores, melhores, mais bonitas. E, por tudo isso, mais cativantes.

Tal como cada um de nós. Quando a vida parece estar toda ao contrário, talvez estejamos num vaso onde nos abandonámos, por puro cansaço ou desconhecimento. Podemos precisar que acreditem em nós e nos levem para o lugar certo. Mas, para isso acontecer, é preciso "sermos" o que nos faz brilhar. É preciso sabermos o que realmente em nós se destaca. Sabermos que há sempre um lugar onde podemos ser adubo. Sabermos que o mundo tem muitas outras terras, muitos outros corações. Muitos outros olhares que ainda não nos encontraram. A vida precisa que sejamos palmeiras. Maiores ou mais pequenas. Mais visíveis ou mais discretas. Mas vivas! Bem vivas! Comecemos hoje por acreditar que já o somos! Na altura certa, a vida saberá levar-nos para o sítio certo. Se está confuso ou confusa, experimente fazer uma leitura da aura. Um processo de coaching pessoal ajuda a encontrar a terra. E uma limpeza energética a fortalecer as raízes no processo de mudança.